Coelho estufado com espargos cozidos e arroz

Toda a comida sendo preparada com tempo e temperada com amor é incapaz de sair mal. Penso que seja esta a principal razão para a comida “da mãe” ser sempre a melhor do mundo. Tudo é preparado com carinho, com muitos anos de experiência e truques, que não vêm escritos em lado nenhum, mas que vão sendo transmitidos de boca em boca, desde o tempo das nossas bisavós.

Uma das especialidades da minha mãe é o coelho estufado, cujo truque está na marinada. Deixo-vos a receita para experimentarem!

Coelho

Coelho estufado

1 coelho

vinho branco q.b.

2 folhas de louro

2 dentes de alho grandes

1 ramo de alecrim fresco

1 cebola grande

azeite q.b.

sal q.b.

A preparação começa no dia anterior, com a marinada. Coloca-se o coelho partido aos bocados numa bacia com vinho branco (de forma a o cobrir), folhas de louro, dentes de alho cortados ás rodelas, alecrim fresco. Deixa-se ficar assim até ao dia seguinte, tendo a atenção de o virar pelo menos uma vez.

Numa panela de pressão colocar 1 cebola grande cortada ás rodelas, azeite e o alho da marinada, liga-se o lume e deixa-se alourar a cebola. Adiciona-se apenas o coelho para lourar um bocado. Passados uns 4-5 minutos adiciona-se um pouco da marinada coada e acrescenta-se água até cobrir o coelho, tempera-se com sal. Fecha-se a panela de pressão e quando começar a apitar, marca-se 35 minutos no temporizador.

Depois deste tempo desliga-se o lume, abre-se a panela e vê-se se o coelho está mesmo cozido. Se ainda não estiver, coloca-se novamente ao lume, sem pressão, durante o tempo necessário para ficar pronto (normalmente o tempo que referi é suficiente, visto o coelho ser uma carne tenra).

Acompanhei o coelho com arroz branco e espargos cozidos mas também fica muito bem com puré.

Bon appétit!!!

Advertisements

Invasão de Brigadeiros

Sim, é verdade. A minha cozinha foi tomada de assalto por este doce brasileiro, bem pequenino no tamanho mas com o poder de adoçar qualquer coração mais amargo.

Brigadeiro

Desde que acertei com a receita e o “ponto” do brigadeiro já não é a primeira vez que os faço, no entanto, desta vez a receita teve que ser a duplicar e tinha que estar perfeita pois o “provador” de serviço é exigente!! A primeira massa saiu bem, o mesmo não posso dizer da segunda. Não sei porquê mas qualquer coisa falhou. (Será que só me acontece a mim ficar mesmo desiludida quando um doce não me sai como eu quero, ao ponto de ter vontade de não o repetir? Espero que não.)

A senhora desilusão lá apareceu mas não teve outro remédio senão ir fazer uma visita a outra cozinha 🙂

Brigadeiros preparados, bem alinhados, é hora do ataque!!!

Brigadeiro

(rende cerca de 25-30, tamanho médio)

1 lata de leite condensado

1 pasta de chocolate

1 colher de sopa de manteiga

chocolate granulado (para decorar)

Numa panela deitar o leite condensado, a colher de sopa de manteiga e a pasta de chocolate partida aos bocados. Colocar a panela em lume brando, mexendo sempre. Mexe-se sem parar até a mistura ficar com uma aparência, espesso e consistente. Retirar do lume e deixar arrefecer.

No dia seguinte, untar as mãos com óleo e formar bolas pequenas. Passa-las pelo chocolate granulado e colocar em formas de papel.

Bon appétit!!

Christmas Time

Passou mais um ano e cá em casa já se anda a preparar o Natal, com todas as suas tradições gastronómicas. Bacalhau, polvo cozido com batata e penca para a consoada, Roupa-Velha (os restos do cozido partidos aos bocadinhos refogados em cebola, azeite e alho) e cabrito assado para o almoço de dia 25 de Dezembro e muitos… muitos doces e chocolates!!

Relativamente aos doces, claro que não pode faltar o majestoso e tradicional Bolo-Rei, sempre como mestre de cerimónias, acompanhado este ano pelo Bolo-Rei de Chocolate! Seguem-se as rabanadas, bolinhos de jerimú e aletria que serão preparadas pela chef cá da casa, a minha mãe, auxiliada por mim, a sua sous-chef 🙂

(Podem seguir os links para ver as receitas que coloquei aqui no blog o ano passado.)

Como já vos falei no ano passado, o Natal para mim é uma época muito familiar, com tradições que se mantêm há anos. A tradição de fazer a árvore de Natal e enfeitar o resto da casa, logo no início de Dezembro; o preparar dos doces juntamente com a minha mãe, todos com um timing já definido (as rabanadas são as últimas a fazer para o meu irmão e pai poderem “roubar” algumas ainda quentes); o comer o bacalhau cozido e o polvo na noite de consoada; o esperar pela meia-noite para abrir as prendas; o comer a roupa-velha no almoço de dia 25 e passar a tarde a ver na televisão o Sozinho em Casa ou a Música no Coração…. tudo com um encanto especial e que não fariam do Natal aquilo que é!

Desejo a todos um DOCE e FELIZ NATAL!!!

Merry Christmas!!!

O melhor Chocolate Quente

O meu chocolate quente não pode ser nem muito espesso, nem muito líquido. O mesmo acontece com a doçura, se for doce de mais enjoa e se for amargo de mais quase que não tem sabor.

Demorei algum tempo a descobrir um chocolate quente que juntasse estes dois requisitos e que me enchesse verdadeiramente as medidas.

Mas como diz o ditado “quem espera sempre alcança” e finalmente encontrei na Arcádia o melhor chocolate quente que alguma vez comi…. Perfeito!

Chocolate quente e scones, combinação perfeita não concordam? 🙂